segunda-feira, 28 de maio de 2007

René Magritte, biografia resumida

René François Ghislain Magritte nascido em 21 de novembro de 1898 na cidade de Lessines, no Hainaut belga. Filho de Léopold Magritte e Adeline, teve sua infância marcada por muitas mudanças de cidade. Moraram em Lessines, Gilly, Châtelet e Charleroi.

Seu pai Léopold e sua mãe Adeline, não tiveram problemas em proporcionar uma boa educação a René, Paul e Raymond, já que eles não tinham muitas preocupações financeiras, pois ele trabalhava como alfaiate e ela como modista de chapéu. Está situação continuou a mesma mesmo após a morte de Adeline, onde René e seus irmãos foram criados por governantas e empregados. Assis como René, Paul era interessado pela arte. Compôs músicas e arranjos para obras alheias. Ambos partilhavam uma grande paixão pelo cinema,
principalmente pela série Fantômas, que influenciou as idéias de Magritte. Por outro lado, seu irmão Raymond, contrariando o gosto pela arte se seus dois irmãos era um homem de negócios. E mesmo apesar de nunca ter se dado bem com Magritte, René administrou seus bens durante a vida.

O suicídio de sua mãe aos 41 anos em 1912, afogada no rio Sambra é um
grande mistério, por não se saber os motivos de seu suicídio. Magritte, no entanto teve uma reação um tanto estranha ao acontecido, se sentindo orgulhoso por ser filho de uma suicida e ter angariado a simpatia de seus vizinhos e colegas de escola. Inúmeras histórias dizem que Magritte viu o corpo de sua mãe com o rosto coberto com sua camisola, porém nenhuma delas se mostrou verdadeira. Foi criado então por um pai solitário, criadas e governantas.

Este acontecimento pode ter influenciado muito a vida artística de Magritte. Não se sabe que tipo de impacto essas emoções demonstradas por ele podem ter acarretado. Em uma carta datada de 1956 Magritte dizia: “Tenho inúmeras recordações atrozes, mas não compreenderei nunca o arrependimento, só sinto remorsos.” (carta a Maurice Rapin datada de 8/11/1956, publicada em A Arte Pura)...

2 comentários:

Alexandre Gabi disse...

boa argumentaçao en posso dizer qe me ajudou a crer que minha dor nao se compara a ele .

michèle sato disse...

adorei o blog - fãzoca do nosso mestre
parabéns
*